Eu Quero Um Parto Humanizado?

Crédito: Janaína Cunha

“Eu quero um parto normal, mas não aquele humanizado”. Eu posso apostar que se você quer um parto normal, você quer um parto humanizado. 

A assistência obstétrica no Brasil retirou o papel de protagonismo das mulheres e as colocou como frágeis, submissas e incapazes de entender o que se passa com os seus corpos. 

O resultado? Medo generalizado do parto e da dor, e o mito de que parto normal é ruim e perigoso. O nascimento passou a ser considerado um problema médico e a tecnologia uma promessa para aumentar a segurança e a eficiência do corpo feminino.

Você já ouviu falar no HumanizaSUS? É uma Política Nacional de Humanização criada em 2004, que tem como um dos objetivos, documentar as bases para a humanização do cuidado em saúde:

  • Acolhimento; 
  • Promoção da autonomia e do protagonismo;
  • Equipes multidisciplinares; 
  • Construção de vínculo;
  • Igualdade de acesso aos serviços;

Dentro do HumanizaSUS, foi lançada também a Política de Humanização do Parto e Nascimento (2014), para garantir uma assistência humanizada, o tratamento respeitoso e a prática da Medicina Baseada em Evidências.

Mas e precisava de tudo isso? Não é assim que funciona a assistência obstétrica? Infelizmente não é. 

Quem nunca ouviu uma história de um parto traumático e cheio de violências? Isso significa que mulheres ainda são submetidas a parto vaginais cheios de intervenções desnecessárias.

E o que o Parto Humanizado tem de diferente?

  • Fortalecimento e participação da mulher na tomada de decisões; 
  • Respeito às visões, desejos e valores da mulher;
  • Uso da tecnologia somente em situações de necessidade;
  • Equipe multiprofissional; 
  • Práticas baseadas em evidências científicas; 
  • Apoio físico e emocional contínuo durante o pré-natal, parto e pós-parto;
  • Liberdade de movimentação durante o trabalho de parto; 
  • Acesso a técnicas de alívio de dor.

Segundo a pesquisa Nascer no Brasil, da FioCruz (2014), quase 70% das brasileiras deseja um parto normal no início da gravidez, mas o índice de cesarianas no SUS é de cerca de 55%, e na rede privada quase 88%.

Isso mostra que as mulheres não têm sido apoiadas, incentivadas e acolhidas nos seus desejos. E é aqui que entra a doulagem, a educação perinatal e a busca por informações, ferramentas importantes para que as mulheres possam tomar suas decisões e lutar para que sejam respeitadas. 

Conheça o Universo do Parto Humanizado

Depoimentos

Camila: Mãe da Mahê

Me mudei para Piracicaba e logo me vi grávida, sem conhecer quase ninguém na cidade. Minha primeira consulta com uma obstetra foi um balde de

Depoimentos

Victória: Mãe do Bernardo

Foi um acompanhamento muito necessário para nos preparar para a chegada do Bernardo, as meninas são super atenciosas, tiraram todas as nossas dúvidas, nos ajudaram

Quer saber mais sobre Parto Humanizado?

Entre em contato conosco

Enviar Mensagem
Olá, envie sua mensagem. Responderemos assim que possível. Agradecemos desde já. Obrigada.